Falhei, e continuarei errando

O ser humano é falho, e nunca aceitará qualquer forma de ascensão à perfeição. Naturalmente somos direcionados a boicotar nossa vida quando tudo está calmo e fluindo. Por menor que seja, acharemos uma circunstância árdua para modificar nosso estado emocional.

Mas não basta aceitar a imperfeição, é preciso entendê-la como um todo, pesando seus contras, para posterior correção; e tomando nota dos seus prós, para que sejam replicados e passados adiante.

Eu aprendi muito mais com os meus erros do que com meus acertos.

Quem sou eu se não a soma de diversos erros, os quais só me arrependo de não ter aproveitado mais.

Só o erro ensina, apenas errando se aprende. E quem pode me julgar pelas más decisões que tomei? Fiz o que era possível fazer, vivi o que era possível viver. Cada decisão tomada foi um passo para ser o que sou hoje. E continuarei errando, aprendendo e caindo em um novo erro. O mundo não é preto e branco, não é apenas certo e errado. Há detalhes complexos que exigem uma visão mais madura, mais castigada pelo tempo que carrega a experiência, enquanto essa visão não me é dada, sigo errando. E julgue-me… julgue-me e diga que faria diferente, é um bom alimento para o ego, para a falsa sensação de ser superior inalcançável pela sombra do erro. Não quer errar? Então não viva!

Se eu soubesse antes o que sei agora, erraria tudo exatamente igual.

Artigo anteriorOs opostos se atraem?
Próximo artigoNão existe felicidade
Ayslan Alves
Bacharel em Direito pela Universidade Tiradentes, Especialista em Direito Público, Especialista em Direito Constitucional Aplicado, Especialista em Direito Penal e Processual Penal e Pós-graduando em Tribunal do Júri e Execução Criminal. Atuante na área de Segurança Pública desde 2014, com diversos cursos pela SENASP (Análise Criminal, Crimes Cibernéticos, CIAI, COI, Gerenciamento de Crises, Identificação de Armas de Fogo, Investigação Criminal, Mediação de Conflitos, entre outros).